Coach Espiritual

Seja Criativo!

Gostaria de compartilhar trechos de um texto que escrevi para uma disciplina da faculdade chamada Criatividade em Ação! Meu objetivo é lhe convidar a pensar mais “fora da caixa”, ou seja, quem sabe a solução para algumas situações da sua vida estejam diante dos seus olhos e você ainda não percebeu! 

Quem sabe você pode começar, como eu, a registrar os seus insights em um caderno, ou pasta, e iniciar aquele projeto que tanto deseja, e só não o fez pois ainda não parou para pensar nos primeiros passos deste sonho! Comece escrevendo, desenhando, pintando…enfim, registre tudo o que lhe vier a cabeça, pois às vezes uma grande ideia nasce de onde menos esperamos!

Abaixo divido um pouco do meu registro pessoal sobre o quanto pensar criativamente fez diferença em minha vida.

“Quando iniciei esta disciplina estava motivada em adquirir mais conhecimento para a minha profissão com empresária, coach e futura psicóloga. Sentia que precisava de algo que me impulsionasse a pensar mais “fora da caixa”.

Ao longo das aulas fui percebendo como é maravilhoso quando nos libertamos de alguns padrões, e deixamos a nossa criatividade aflorar como se fossemos crianças descobrindo um novo mundo.

O portfólio (caderno que desenvolvi para os meus registros pessoais), foi um dos trabalhos mais gratificantes que eu fiz, pois ali consegui traduzir de forma lúdica todos os aprendizados, sensações e momentos que mais marcaram os nossos encontros.

Palavras como: criatividade, “quem sou”, memórias, novo olhar, presente, escolhas, mudanças, inspiração, representam a abertura do meu portfólio e o início de um pensamento divergente. Aos poucos fui criando uma afinidade com o tema, e vislumbrei a probabilidade de inserir a criatividade como projeto profissional. Nunca havia pensado nessa possibilidade e no que ela representava, mesmo que ela sempre estivesse diante dos meus olhos. As aulas me proporcionaram momentos de reflexão sobre a perspectiva de trabalhar com algo pelo qual sou apaixonada uma vida inteira. As palavras “quem sou”, que descrevi acima, traduzem o que acabei de escrever, sinto que descobri um pouco mais sobre mim e os meus potenciais. As atividades, mesmo quando pareciam uma simples brincadeira, estimularam o meu “pensamento livre” divergente, pois eu nunca imaginei ser capaz de inventar coisas como as que fiz em meu portfólio e durante as atividades em aula.

Me senti uma criança em alguns momentos, e isso foi incrível, pois crianças não tem medo de errar e pensam em coisas que parecem loucuras, mas que muitas vezes podem representar soluções surpreendentes para um problema. Vou ser mais criança, pois se ser assim significa que posso ter o meu pensamento mais livre para pensar em soluções criativas para a minha vida e de outras pessoas, é assim que quero ser.

A ludicidade que permeou o meu portfólio permitiu que eu me sentisse uma artista, pois artistas, como diz Maria Lúcia de Oliveira, diferem-se das pessoas comuns por comunicarem-se de modo estético. Me comunicar de modo estético viabilizou o meu processo de descoberta pessoal.

Por fim, agradeço cada minuto ao qual fui submetida a pensar criativamente, pois como falei no início, acreditava que iria adquirir somente conhecimento para a minha atual profissão e futura profissão como psicóloga, porém fui surpreendida com uma nova descoberta sobre os meus potenciais, e sobre o que posso fazer para ajudar a construir um novo mundo para as futuras gerações. Pretendo permanecer exercitando este olhar criativo e registrando esses insights em meu portfólio, pois ele não é um simples registro das aulas, mas uma construção da minha caminhada pessoal.”

Silvia Mari Bavaresco

 

Sem Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Post anterior

Coach, Psicólogo e outros...

Próximo post

A Geração Superelogiada